6 de maio de 2011

O que falta é respeito


Veja como são as coisas...

Quando eu ainda mais nova cheguei para o meu pai e disse que achava lindo tatuagem, vi que o mesmo não gostou nada da idéia, pois o meu pai vinha de uma geração que quem usava tatuagem era marginal e, na cabeça dele, o fato de eu vir a usar tatuagem poderia me influenciar a ir para esse lado ruim da vida. Notei um certo desconforto vindo do meu pai e escutei que, da parte dele, ele não gostaria, ma
s que não iria em momento nenhum me proibir de fazer, caso fosse o meu real desejo.

Muitos ao ler essa situação que aconteceu comigo, irão achar o meu pai um verdadeiro maluco e dizer que é muita "viagem" dele pensar que uma simples tatuagem me influenciaria em alguma coisa e mudaria minha personalidade, fazend
o com que eu virasse uma outra pessoa. O que eu digo para vocês é que isso foi um preconceito criado na cabeça dele - e de muitos outros pais da mesma geração que o meu - que fez com que ele passasse a ver com olhos de reprovação.

Onde quero chegar com tudo isso? Quero chegar no tema sobre a união entre homossexuais e mostrar esse preconceito bobo e mesquinho que assola a nossa sociedade. Em pleno século XXI ainda vejo gente achando que homossexualismo é
doença contagiosa, é publicidade ou qualquer outro tipo de classificação grotesca que se pode imaginar.

O fato de ter sido aprovado legalmente o reconhecimento das uniões civis entre pessoas do mesmo sexo, não significa banalizar, nem querer passar por cima de nenhuma religião, crença ou lei. Não significa também induzir ninguém a vir
ar homossexual, porque, para que fique explicado desde agora e para sempre, homossexualidade não "se pega", não "se vira", tampouco pode ser considerado uma opção individual. Você não pode querer comparar a homossexualidade com o mesmo que escolher qual rua seguir. Escolher qual rua seguir para chegar ao seu destino é uma opção sua, ser homossexual é uma orientação sexual presente em cada um de nós.

O argumento que alguns utilizarão mediante a isso é o de que, agora que foi legalizada a união entre homossexuais, o número de homossexuais irá crescer. Eu discordo completamente. Não é o número de casais gays que irão aumentar, mas os que vão passar a assumir seus relacionamentos, coisa que grande parte dos gays não faziam com medo de retaliação, como agressões físicas e verbais.

Canso de ver estampado nos jornais e sendo assunto de jantares em família, casos de casais héteros onde o homem matou a mulher por ciúme, onde a mulher traía o marido com o melhor amigo, onde filhos eram estuprados por seus pais e há também casos em que os próprios filhos matam os pais por questões de her
anças e outras futilidades que ultrapassam o lado humano. Casos como esses acontecem praticamente todo dia dentro de residências de casais héteros.

O que noto em meio a toda essa balbúrdia feita pela sociedade é o preconceito claro e subentendido usando argumentos do famoso "copia e
cola" que eram usados há tempos atrás. Antigamente a mulher só podia casar virgem, era uma regra imposta a todas as mulheres passada de geração a geração. Hoje em dia, não há essa obrigação por parte das famílias sobre o fato das mulheres casarem virgens e por isso, podemos apontar o dedo na cara dessas mulheres e classificarmos de impuras, infiéis e "mulheres da vida"?

Não é querer ser "modernóide", é querer ser maduro o suficiente para saber que tudo na vida sofre transformações, desde a natureza ao homem. Portanto, se estamos em constante movimento e em constantes mudanças, por que não respeitarmos que as coisas precisam ser mudadas e não vulgarizadas como pensam? Por que não respeitarmos que nossa orientação sexual está longe de ser um livre arbítrio? É algo que está na gente e com a gente.

Tatuagem não significa ser um fora da lei, como ser gay não significa influenciar ninguém a nada. A Xuxa "rainha dos baixinhos" usava bota branca até a coxa e nem por isso a sociedade foi influenciada a usar bota branca até a coxa. A biodiversidade sexual das espécies está longe de ser apenas uma matéria de Biologia estudada no colégio. É um fato ligado a sua natureza humana.

Dito isto, quero deixar também claro que sou altamente contra a forma como a mídia vem usando o tema da homossexualidade, para enfiar goela abaixo como forma de ganhar audiência e aflorar a irritação de boa parte que é contra, criando assim uma mal estar nacional. Devemos informar sem abusar e extrapolar os li
mites da comunicação.

Que nossas atitudes não nos tornem pessoas "quadradas" a ponto de só enxergar aquilo que nos convém. Que sejamos racionais, e ao mesmo tempo humanos, o suficiente para enxergarmos que a aceitação não precisa vir no pacote junto com o respeito. Você não é obrigado a aceitar nada que você não queira, mas é obrigado a respeitar para exigir respeito.



6 comentários:

  1. O fato de eu achar nojento dois marmanjos se beijando na rua, não significa que eu deva discriminá-los. Acredito que as pessoas são livres para fazer o que quiserem e ninguem deve interferir a menos que o atinja. Acho o Deputado Bolsonaro um coitado, sensacionalista e infeliz, assim como todos que enchem a boca para dizer que é contra o homosexualismo.

    Percebo nos comentários de quem é contra, que a pessoa tem pensamentos semelhantes ao de um primata, com QI de menos de 2 digitos, que tem fundamentos incompatíveis com a atualidade. Pessoas assim não acompanharam os novos conceitos. Seja o conceito de sociedade modificado ou seja a busca pela liberdade em todos os sentidos.

    Disse acima e reafirmo: Todos devem ser livres para fazer o que dá vontade e ninguém tem o direito de questionar. O tempo que perdem questionando a atitude alheia deveria ser utilizado para si.

    E quer saber? Quem quiser dar a bunda que dê. Não sendo a minha...

    ResponderExcluir
  2. Deka, o que falta hj é uma discussão clara sobre o tema pq de um lado vejo a mídia e alguns movimentos querendo empurrar o homossexualismo goela abaixo, não da forma como ele deve ser entendido, e de outro vejo argumentos preconceituosos de quem não quer entender o que é o homossexualismo. Não aceito um representante gay chegar na TV, como já vi, e me dizer q o conceito de família que eu tenho está falido e que deve-se msmo sair experimentando tudo, ou que o kit gay nas escolas é a solução. Não gosto desse homossexualismo banalizado e vulgar (assim como não gosto do heterossexual assim). Da mesma forma que não aceito qd alguém me diz que um gay não é normal e que não merece os mesmos direitos que eu. Não admito julgar o caráter de uma pessoa pela sua opção sexual.

    ResponderExcluir
  3. Cada um com seus direitos , não é? Ainda mais hoje em dia que não existem regras ou qualquer crença moral ou padrão a ser seguido. Portanto , o que reclamar também da noticia de hoje do cara querer casar com a própria mão esquerda? Também está defendendo seus direitos.

    ResponderExcluir
  4. Dekinha, ler um texto como o seu é um alívio. Saber que existem pessoas capazes de influenciar muita gente e têm uma forma de enxergar as coisas de uma forma tão aberta, moderna e totalmente desprovida de preconceitos medievais, é voltar a ter esperança na Humanidade. Ou, pelo menos, nesse nosso país tão cheio de gente conservadora, preconceituosa e pronta pra fomentar o ódio e a intolerância.

    A nossa comunidade está cheia de pessoas assim - e o que mais me chocou, pessoas que eu julgava esclarecidas. Eu nem entro nos tópicos que falam do assunto pra não me aborrecer. Criar comunidades como "Bolsonaro pra presidente" é uma piada de péssimo gosto, que só fomenta o ódio, a intolerância e a violência.

    Parabéns pela lucidez.
    Bjs

    ResponderExcluir
  5. Fala Vanda! Belo texto, como sempre.
    Acredito muito que a mídia vem causando grande desserviço a população, obviamente por interesses pessoais e eleitorais. Em tempo a lei não mudou nada,pois o tema já estava pacificado nos tribunais brasileros.Somente um legislador oportunista angariou eleitores numa nova forma de curral eleitoral.
    Coincidentemente hj pela manhã assisti uma matéria brilhante, em que um casal gay,igualmente brilhante presta um belíssimo exemplo e bom serviço a sociedade. Não lembro o nome deles,mas um é americano e outro brasileiro,eles fizeram história,segundo a matéria, pois foram o primeiro caso de visto de permanência no país baseado em uma relação homoafetiva.
    Pois bem a mídia então acompanhou o casal a um cartório onde registraram a união. Na saída todos aguardavam declarações em defesa do homosexualismo,bla,bla,etc.
    Mas a lucidez do casal foi impressionante.Disseram:

    "Gente somos pessoas normais,só precisamos dos mesmos direitos, não precisamos de direitos especiais, de leis especiais, agora somos oficialmente uma família,protocolaremos um pedido de adoçao,pois a lei fala em família, e agora somos. Os homossexuais não precisam de vantagem, de leis especiais precisam ser tratados iguais aos outros."
    O deputado Bolsonaro, é um louco, favorável a volta da ditadura,entre outras loucuras. Mas nesse caso,quando lhe é dada oportunidade séria, ele vem conquistando apoio de uma legião de bons jornalitas(Marilia,Salete Lemos...)e outra ele já disse q não está discutindo casamento homossexual(até pq sabe ser pacifico no tribunais) ele discute os absurdos da PL122 e dessa portaria do MEC, feita na surdina, que beneficia com alguns milhões de reais ONGs e Associações gays para difundirem o homosexualismo para crianças do ensino fundamental. A saber crianças de 5 a 14 anos.
    Quanto a regularização da união estável , nada,absolutamente nada trata de amor e sim de relações patrimoniais,previdenciários e sucessórias. Direitos q realmente estes acabavam perdendo as vezes até para aqueles q os expulsarm de casa, os açoitaram, etc..

    Sugiro a todos que a investirmos alguns minutos tentando ouvir e entender o que realmente essa PL122 e essa portaria do MEC prevêem para aí sim formarmos nossa opinião.

    ResponderExcluir
  6. O Fanzine Episódio Cultural é um jornal bimestral sem fins lucrativos, distribuído gratuitamente no sul de Minas Gerais, São Paulo (capital), Salvador-BA e Rio de Janeiro. Para participar basta enviar um artigo sobre esporte, moda, sociedade, curiosidades, artesanato, artes plásticas, turismo, biografias, livros, curiosidades, folclore, saúde, Teatro, cinema, revistas, fanzines, música, fotografia, mini contos, poemas, etc.
    Contato: Carlos (editor)
    machadocultural@gmail.com
    http://www.fanzineepisodiocultural.blogspot.com
    Facebook: http://www.facebook.com/profile.php?id=1464676950&ref=profile
    VEJA O FANZINE EPISÓDIO CULTURAL NA FEIRA DO LIVRO DE POÇOS DE CALDAS 2011
    http://www.feiradolivropocosdecaldas.com.br/

    ResponderExcluir